Blog Tecnisa - Mais construtora por m²

03 dez | 07

Condomínios devem se programar para os reajustes salariais

Por Carlos Alberto Julio Junior

Todos os anos, normalmente nesta época do ano, qualquer condomínio deve arcar com o aumento nos custos despendidos com reajustes nos salários dos funcionários, negociados com os sindicato da categoria. Em São Paulo, por exemplo, a convenção coletiva mais recente estabeleceu um aumento de 6% para zeladores, porteiros e vigias, manobristas, ascensoristas, profissionais de limpeza e demais empregados do condomínio ? os novos valores (veja quadro abaixo) já estão em vigor desde o dia 1º de outubro. Como não há mágica, para que os reajustes não causem problemas orçamentários o ideal é se programar.

Existem formas de assimilar o aumento de salários e encargos, incluindo o 13º salário, sem que os condôminos tenham que contribuir com grandes valores do dia para noite. Segundo Hubert Gebara, vice-presidente de Administração Imobiliária e Condomínios do Secovi-SP, as ?boas? administradoras, por exemplo, iniciam a arrecadação para o dissídio e 13º no primeiro mês do ano. Os valores arrecadados são embutidos no condomínio ou entram como arrecadação extraordinária. Isso depende de cada situação e tudo é decidido em assembléia.

Já o impacto percentual depende de quanto será o aumento. Neste ano, por exemplo, como o dissídio paulista foi de 6%, estima-se que o impacto no orçamento do condomínio seja em torno de 3%. Vale lembrar que a folha de pagamento e os encargos pagos consomem cerca de 50% do orçamento. ?Dá para se programar. Basta discutir e estipular um percentual, que poderá ser maior ou menor que o dissídio. Se você fizer essa previsão não terá problemas no mês do reajuste e o mesmo vale para o 13º. Se você não inicia a arrecadação antes, terá que dividir todo o valor em duas vezes, já que a primeira parcela é paga em novembro?, alerta Gebara.

Outro fator que influencia no impacto do dissídio no orçamento é o tempo de trabalho dos funcionários do condomínio. Se todos estiverem trabalhando há um ano, por exemplo, o reajuste será do percentual completo; caso contrário, há um escalonamento. O mesmo vale para condomínios recém criados. O cálculo do escalonamento é simples: dividi-se o percentual concedido pela convenção coletivo por 12 e multiplica-se pelo número de meses que o condomínio existe ou pelo número de meses que o funcionário está trabalhando no local. A matéria completa foi publicada pelo site SíndicoNet, e pode ser acessada aqui.

Veja os novos pisos, válidos em SP a partir de 1º de outubro:

- Zelador – R$ 636,00
- Porteiro ou vigia, garagista e manobrista, cabineiro ou ascensorista – R$ 609,50
- Faxineiro e demais empregados – R$ 583,00
- O valor da cesta básica ficou em R$ 65,21

(Fonte: SíndicoNet – www.sindiconet.com.br)

If you enjoyed this post, please consider leaving a comment or subscribing to the RSS feed to have future articles delivered to your feed reader.
Compartilhe
com seus amigos
Outras opções
de compartilhamento

Carlos Alberto Julio Junior

Fique ligado em tudo o que acontece nesse post. Clique aqui

Fechar
  • Enviado por magna

    Em 17 de junho de 2008

    Gostaria de saber se o piso salarial sitado vigora para funcionarios de empresa terceirisada

  1. *
    To prove you're a person (not a spam script), type the security word shown in the picture. Click on the picture to hear an audio file of the word.
    Anti-spam image

Receba as atualizações desse post.
Escolha uma das opções abaixo:

celular

Cadastre seu número de celular e receba grátis um alerta a cada novo comentário inserido neste post

Para descadastrar seu celular clique aqui

e-mail

Cadastre seu e-mail e receba um alerta a cada novo comentário inserido neste post

Para descadastrar seu e-mail clique aqui

RSS

Assine o RSS e receba grátis um alerta a cada novo comentário feito nesse post.

assine

fechar