03/12/2007 | por

Condomínios devem se programar para os reajustes salariais

Todos os anos, normalmente nesta época do ano, qualquer condomínio deve arcar com o aumento nos custos despendidos com reajustes nos salários dos funcionários, negociados com os sindicato da categoria. Em São Paulo, por exemplo, a convenção coletiva mais recente estabeleceu um aumento de 6% para zeladores, porteiros e vigias, manobristas, ascensoristas, profissionais de limpeza… Ver artigo

Compartilhe

Todos os anos, normalmente nesta época do ano, qualquer condomínio deve arcar com o aumento nos custos despendidos com reajustes nos salários dos funcionários, negociados com os sindicato da categoria. Em São Paulo, por exemplo, a convenção coletiva mais recente estabeleceu um aumento de 6% para zeladores, porteiros e vigias, manobristas, ascensoristas, profissionais de limpeza e demais empregados do condomínio ? os novos valores (veja quadro abaixo) já estão em vigor desde o dia 1º de outubro. Como não há mágica, para que os reajustes não causem problemas orçamentários o ideal é se programar.

Existem formas de assimilar o aumento de salários e encargos, incluindo o 13º salário, sem que os condôminos tenham que contribuir com grandes valores do dia para noite. Segundo Hubert Gebara, vice-presidente de Administração Imobiliária e Condomínios do Secovi-SP, as ?boas? administradoras, por exemplo, iniciam a arrecadação para o dissídio e 13º no primeiro mês do ano. Os valores arrecadados são embutidos no condomínio ou entram como arrecadação extraordinária. Isso depende de cada situação e tudo é decidido em assembléia.

Já o impacto percentual depende de quanto será o aumento. Neste ano, por exemplo, como o dissídio paulista foi de 6%, estima-se que o impacto no orçamento do condomínio seja em torno de 3%. Vale lembrar que a folha de pagamento e os encargos pagos consomem cerca de 50% do orçamento. ?Dá para se programar. Basta discutir e estipular um percentual, que poderá ser maior ou menor que o dissídio. Se você fizer essa previsão não terá problemas no mês do reajuste e o mesmo vale para o 13º. Se você não inicia a arrecadação antes, terá que dividir todo o valor em duas vezes, já que a primeira parcela é paga em novembro?, alerta Gebara.

Outro fator que influencia no impacto do dissídio no orçamento é o tempo de trabalho dos funcionários do condomínio. Se todos estiverem trabalhando há um ano, por exemplo, o reajuste será do percentual completo; caso contrário, há um escalonamento. O mesmo vale para condomínios recém criados. O cálculo do escalonamento é simples: dividi-se o percentual concedido pela convenção coletivo por 12 e multiplica-se pelo número de meses que o condomínio existe ou pelo número de meses que o funcionário está trabalhando no local. A matéria completa foi publicada pelo site SíndicoNet, e pode ser acessada aqui.

Veja os novos pisos, válidos em SP a partir de 1º de outubro:

- Zelador – R$ 636,00
- Porteiro ou vigia, garagista e manobrista, cabineiro ou ascensorista – R$ 609,50
- Faxineiro e demais empregados – R$ 583,00
- O valor da cesta básica ficou em R$ 65,21

(Fonte: SíndicoNet – www.sindiconet.com.br)

0 COMENTÁRIOS

  • Enviado por magna

    Em 17 de junho de 2008

    Gostaria de saber se o piso salarial sitado vigora para funcionarios de empresa terceirisada

FAÇA SEU COMENTÁRIO

  1. cinco + = 9